quarta-feira, 14 de novembro de 2007

METADE

"...porque metade de mim é amor, é a outra metade...TAMBÉM..."


Que a força do medo que tenhonão me impeça de ver o que anseioque a morte de tudo em que acreditonão me tape os ouvidos e a bocaporque metade de mim é o que eu gritomas a outra metade é silêncio.Que a música que ouço ao longeseja linda ainda que tristezaque a mulher que amo seja pra sempre amadamesmo que distanteporque metade de mim é partidamas a outra metade é saudade.Que as palavras que eu falonão sejam ouvidas como prece e nem repetidas comfervorapenas respeitadas como a única coisaque resta a um homem inundado de sentimentosporque metade de mim é o que ouçomas a outra metade é o que calo.Que essa minha vontade de ir emborase transforme na calma e na paz que eu mereçoe que essa tensão que me corrói por dentroseja um dia recompensadaporque metade de mim é o que pensomas a outra metade é um vulcão.Que o medo da solidão se afastee que o convívio comigo mesmo se torne ao menossuportávelque o espelho reflita em meu rosto num doce sorrisoque eu me lembro ter dado na infânciaporque metade de mim é a lembrança do que fuia outra metade não sei.Que não seja preciso mais do que uma simples alegriapra me fazer aquietar o espíritoe que o teu silêncio me fale cada vez maisporque metade de mim é abrigomas a outra metade é cansaço.Que a arte nos aponte uma respostamesmo que ela não saibae que ninguém a tente complicarporque é preciso simplicidade pra fazê-la florescerporque metade de mim é platéiae a outra metade é canção.E que a minha loucura seja perdoadaporque metade de mim é amore a outra metade também.

OSWALDO MONTENEGRO