domingo, 2 de março de 2008

Torto Girl

Carinhosamente, recebi esse apelido por um cara da balada( se é que aquele lugar é uma), que sempre me via por lá.
Para não fugir do meu querido vulgo, resolvi não decepcionar os adeptos que andam por lá, e mais um sabado me encontrei por lá! Como todos os sabados, lá fomos para o postinho para fazer um esquentinha, não que eu beba demais, mas lá dentro não fica muito viavel andar para chegar até o bar, tirando o preço que também não é muito agradável.
Hoje, o cara da balada é amigo (de balada), é até engraçado, sabe aquele lugar que você vai e sempre encontra as mesmas pessoas, que dá beijo no garçom, beijo na mulherzinha da revista, do banheiro, do caixa e assim por diante. Tem pessoas que odeiam frequentar o mesmo lugar sempre, e eu digo que também sou uma delas, mas aquele lugar me sinto bem. Uma amiga disse que é aconchegante, rimos muito, pois de aconchegante não tem nadinha, alias é o lugar mais cheio, mais apertado, e calor em qualquer que seja a estação do ano, porém se mudasse o lugar, perderia a graça. (gostamos de calor humano) rs
Numa conversa em pleno Toninho as 6:00 da tarde, definiões o torto assim:
-É bom, não é ruim;
É que nem cerveja, a gente não gosta, não pode, mas não deixa de beber;
Tá sempre chata, mas também legal;
As músicas são legais e também são chatas.

E depois de muito tempo de gargalhada, todos se calaram.
Acho que quem cala consente. Enfim, jamais abandonaremos o tortinho aos sabados!
Isso é FATO!