terça-feira, 8 de abril de 2008

Do muito, ao pouco

Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois
Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois

É muito quadro pra uma parede
É muita tinta pra um só pincel
É pouca água pra muita sede
Muita cabeça pra um só chapéu
Muita cachaça pra pouco leite
Muito deleite pra pouca dor
É muito feio pra ser enfeite
Muito defeito pra ser amor
É muita rede pra pouco peixe
Muito veneno pra se matar
Muitos pedidos pra que se deixe
Muitos humanos a proliferar
Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois
Se em terra de cego quem tem um olho é rei,
Imagine quem tem os dois

[Oswaldo Montenegro]