segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Atores, OU NÃO.

Você não sabe o quanto é difícil fingir que nada acontece, ou que as coisas estão certas como estão. Não está certo, não é assim que eu gostaria de estar. Fazer-se de sonsa não cola, ou até cole se os meus dois anos de teatro serviram pra alguma coisa. Eu sei, sou ruim mesmo, péssima atriz, sei disso, alias a coisa que eu mais odeio em mim mesma é conseguir ser tão ruim e transparecer tudo o que não queria. É até que bonitinho da sua parte “ser” desentendido, só fico na dúvida quem anda atuando mais, eu ou você? Talvez a moda do momento é ser dissimulado. (não?!) Acho que nos encontramos na infância no palcos ou na coxia de algum teatro, a diferença foi o aprendizado, você levou bem mais a sério as lições de casa. Hoje de tão idênticas me irritam, os papéis até se invertem me fazendo mais confusa do que o normal. Preciso mais do que nunca voltar a cartilha, estudar e treinar em peças cotidianas para não mais cometer deslizes, ver até onde vai toda essa minha coragem de dizer brincando as verdadeiras coisas. Não é distúrbio, e nem ache, por favor, que eu sou louca mesmo sendo todas às vezes, é somente uma confusão, uma indecisão que eu não tenho certeza muito bem do que trata. Beijos da sua amiga de palco, não tão “profissa” como você, mas também atriz.